Porridge Radio – Every Bad

“What is going on with me?” Dana Margolin, de Porridge Radio, pergunta nas linhas de abertura de “Born Confused”. É uma pergunta que parece atormentá-la pela duração de “Every Bad”, suas músicas estão cheias de confusão e contradição enquanto a cantora tenta esclarecer as coisas.
O segundo álbum da banda é uma reflexão intoxicante sobre tentar descobrir a vida.

As letras simples de Porridge Radio são um presente para este mundo não merecedor; eles entram na sua cabeça e fazem-nos fazer perguntas a nós mesmos. Ela muitas vezes repete encantamentos repetidas vezes – linhas que de outra forma poderiam não ter muito impacto se fossem cuspidas. Cada expressão traz e oferece um novo nível no qual as palavras podem funcionar e que podem não nos ter atingido pela primeira (ou segunda ou terceira) vez.

“You’re wasting my time,” é a peça central de ‘Long’, às vezes divertida, às vezes irritada. No instável e cru ‘Don’t Ask Me Twice’, a vocalista professa: “I don’t know what I want / But I know what I want.” As palavras circulam sem parar como se ela estivesse presa num loop sem fim. A certa altura, ela meio que grita: “Oh fuck, there goes my fucking head again!”, como se toda essa confusão a fizesse parar.

Enquanto isso, ‘Born Confused’ termina com ela e seus colegas da banda a cantar: “Thank you for leaving me / Thank you for making me happy” com melodias trêmulas. É uma linha que exerce poder, metade da sua mensagem é sarcástica e a outra sincera e, em caso afirmativo, qual metade é qual?

O Porridge Radio – completado pelo baterista Sam Yardley, pelo baixista Maddie Ryall e pela tecladista Georgie Stott – não deixa para as palavras retratar o trabalho contraditório e desconcertante do interior das nossas cabeças. É um tornado de acordes e baques de bateria poderosos, exuberantes e crescentes.

NME                

        Em baixo o álbum completo:

Partilha com os teus amigos