Snail Mail – “Valentine”

Um dos muitos encantos de “Lush”, o álbum de estreia de Snail Mail em 2018, foi o seu estilo antiquado. Embora fosse um álbum do século 21, “Lush” parecia que poderia ter sido lançado na década de 1980 durante os primeiros picos de R.E.M. ou Sonic Youth. A energia relaxada e os riffs de guitarra na música de Snail Mail soavam tão perfeitos como o indie rock das décadas passadas, e não se poderia imaginar como a banda iria evoluir.

“Valentine”, o segundo álbum da banda, felizmente encontrou um meio-termo feliz entre o rock do seu primeiro álbum e o estilo indie deste novo milénio. Produzido por Jordan e Brad Cook, o disco de 32 minutos soa mais limpo e bonito que o seu antecessor.

Jordan disse recentemente que a produção de “Valentine” foi “o maior desafio da minha vida até agora” e a maneira correta de ouvir o álbum é “numa caverna iluminada apenas por uma velha lamparina a óleo”. “Valentine” é uma evolução quase perfeita para Snail Mail. Embora não seja totalmente ousado em termos de letras ou novos sons, mostra que a banda está disposta a ir além da sua zona de conforto. É interessante ver uma jovem artista claramente no caminho certo para valorizar todo o seu potencial musical, o tempo dirá o que Snail Mail tem para oferecer, mas pelo menos Lindsey e a sua banda têm a capacidade de fazer algo único.

No geral, “Valentine” é um sucesso completo de Snail Mail. O poder por trás de cada minuto deste pequeno álbum é avassalador. Ter este álbum impressionante tão cedo na carreira é difícil, mas se Snail Mail continuar com esse tipo de música e a receber o tipo de recepção crítica que teve com “Valentine”, então a banda terá uma carreira longa e saudável.

Partilha com os teus amigos