Poço de Noção

No passado dia 30 de Julho, o Poço do Frade foi o palco do primeiro evento físico do Festival da Noção. Um evento que, com entusiasmo, foi organizado para oferecer e proporcionar às pessoas do concelho, (e não só), um Sábado diferente de todos os outros. Foi com enorme satisfação que vimos ser cumprido esse objetivo, assim como muitos outros.

O Poço de Noção pautou pela inclusão geracional e pela aliança entre a natureza e a cultura. Crianças, idosos, bebés, adultos e até mesmo animais de estimação foram todos eles protagonistas no elenco deste evento. A boa disposição, o calor, a água propícia a uma panóplia de mergulhos do e no Poço, o convívio, os brindes, o reencontro, os sorrisos, a amizade e a curiosidade foram elementos presentes, daqueles sem embrulho e que estão à vista de todos. E estiveram.

Os Night Trippers foram os primeiros mergulhadores do Poço. Eles que, às 17h, entraram em ação para dar ritmo aos mergulhos e aos banhos de sol daqueles que estavam no Poço do Frade no dia certo e na hora certa. Os vinis dos Trippers ofereceram cor e harmonia ao recinto.

De seguida, pelas 18h30, coube ao DJ COZTA fechar a tarde em beleza. A energia e a inquietude das suas escolhas foram componentes agitadoras e refrescantes. Foram o ideal, enquanto a sombra ia convencendo o sol da sua saída e a noite se ia preparando para substituir a tarde.

Já com a noite instalada, foi a vez do Rei Marte subir ao trono. Apresentou-nos o “Reino Maravilhoso”, o seu álbum de estreia que foi lançado em Maio, deste mesmo ano. Este álbum, e este reino que é frisado é uma espécie de homenagem àquela que, em certo momento foi a sua cidade, Bragança. Um álbum repleto de relevância lírica, mas não só. Apresentando-se a solo para um registo mais intimista deste mesmo disco, ficamos a par daquela que é a sua versatilidade musical e a sua capacidade em fazer chegar o seu ideal musical através duma guitarra e voz. A sinceridade ficou exposta e a mensagem foi ingerida como se de uma bela refeição se tratasse. Rei Marte consegue ser isto, mas consegue ser muita mais coisa. Consegue ser um pop alternativo com inúmeras escapadelas ao rock mais genuíno e cru. Consegue ser punk, consegue ser presente. Enfim, os sons de Rei Marte conseguem ser quase tudo e isso é o que de bonito mora neste álbum: a diversidade, a complexidade e o gosto. O bom gosto. O Rei, oriundo da capital, Lisboa, ficou encantado com o nosso reino, Cabeceiras de Basto. A grandeza pode mesmo estar em muitos sítios, em muitas pessoas e o Rei Marte fez questão de nos demonstrar isso mesmo publicamente, na sua página de Instagram. Foi um privilégio contar com o Rei Marte nesta edição, onde os seus poemas em português ganharam asas, sendo percetíveis para toda a gente. O espectro do Rock Alternativo em Portugal passa muito pelo Rei de outro planeta. Passa muito pelo Rei Marte e nós tivemos muito orgulho que ele tivesse passado por cá, pela nossa Terra.

A Puppet Show Named Julio, assumiram logo de seguida as rédeas do palco e as rédeas fora dele? Também. A banda proveniente dos ares de Coimbra veio ao Poço extasiar uma plateia inteira. Em 2018, lançaram o seu EP de estreia, intitulado de Act One. Em 2020, lançaram o seu álbum homónimo produzido na Pontiaq. Em 2022, apresentaram-nos tudo no Poço do Frade. Sonoridades arrebatadoras de um rock que se manifesta puro e fiel. Durante a tarde, tive a oportunidade de entrevistar a banda. Aliás, nem chamaria aquilo de entrevista, mas sim de conversa de café, só que sem café. Fiquei a conhecer as raízes deste projeto e as fontes que a alimentam. Fontes são de beber, não é? É, mas aqui alimentam. A disponibilidade e a abertura de todos os elementos do grupo foi incrível. Entrámos muitas vezes na brincadeira para falar do núcleo do projeto. O ambiente gerado naquela mesa de piquenique foi qualquer coisa. O facto de ter entrevistado a banda, de ter ficado a conhecer melhor aquela que é a filosofia do grupo, fez com que ficasse com uma certa expectativa para assistir ao concerto. Excederam as expectativas! Ouvir no Spotify é o mesmo que ouvir ao vivo e a cores, só que ainda melhor. Que vibe e pujança! Talento aliado a competência. Denota-se muita paixão e dedicação àquilo que é e foi apresentado. Muita personalidade musical e uma atitude imponente. Uma presença em palco contagiante e um concerto que, seguramente, ficará na memória e nos telemóveis de quem assistiu e gravou um pedaço daquilo que aconteceu. A Puppet Show Named Julio, são mesmo isso, um Show! A entrevista que fiz à banda será lançada brevemente.

Depois, foi a vez de o DJ Epirex subir ao palco para nos trazer alguns dos sons mais emblemáticos da nossa adolescência, entre muitos outros temas. Houve nostalgia, houve hiperatividade, houve o que se pedia e esperava. Para fechar a noite, foi a vez do DJ Félix inundar o Poço com ritmos e batidas quentes. Esteve mesmo tudo em sintonia com a noite!

O calor humano que se fez sentir e a moldura humana que esteve presente fez com que todos os esforços, que foram muitos, valessem a pena e o tempo! Obrigado a todos os intervenientes que se juntaram à Noção. Houve muita no Poço!

Agradecimentos: Encanto Radical, (que se juntou à Noção na organização deste evento), Café Nascer do Sol, Gentleman Saloon, Estrela Guia, Aquecimentos Lobo, C.M. Cabeceiras de Basto e Junta da União de Freguesias de Refojos de Basto, Outeiro e Painzela, InoxBasto, Avícola Cabeceirense, Só Barroso, Class e Formas, Duuplex, Incógnito e Salão do Berto.

Podem aceder a mais registos nas nossas redes sociais, mais nomeadamente, no Instagram: festivaldanocao

Registos Fotográficos: Rui Torres.

Partilha com os teus amigos